377778757_xxl-1080x250

Ampliando os serviços para melhor incluir

Uma portaria do Ministério da Saúde, publicada em dezembro de 2013 no Diário Oficial da União, transformou a AFAC em Centro Especializado de Reabilitação (CER). Na prática, além de atender aos deficientes visuais, a associação também foi habilitada a oferecer atendimento a deficientes intelectuais, que são pessoas que apresentam dificuldades para aprender, entender e a realizar atividades cotidianas.

Com isso, a AFAC tornou-se um CER II, pois passou a incluir no seu atendimento dois tipos de deficiências. O serviço começou a funcionar em 2014. Como o deficiente intelectual apresenta alterações no processo de desenvolvimento, no comportamento e na comunicação, foi necessário aumentar o corpo médico. Foram contratados um psiquiatra, mais um psicólogo, um fisioterapeuta e três fonoaudiólogos. Também foi ampliada a carga horária da equipe já existente.

Os atendimentos são realizados através do Sistema Único de Saúde (SUS). O paciente deve solicitar encaminhamento médico na unidade básica de saúde mais próxima. Dessa forma, seu nome passa a ser inserido no Sistema Estadual de Regulação (SER) para o serviço necessário.

 

Deficiência visual

Definição

A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera deficiente visual a pessoa que é privada, em parte (segundo critérios pré-estabelecidos) ou totalmente da capacidade de ver.

Baixa visão (ou visão subnormal) é o comprometimento do funcionamento visual em ambos os olhos, mesmo após correção de erros de refração comuns com o uso de óculos ou lentes de contato mas que utiliza ou é potencialmente capaz de utilizar a visão para planejamento e execução de uma tarefa.

Deficiência visual

Cegueira – acuidade visual é igual ou menor que 0,05 (20/400) no melhor olho, com a melhor correção óptica.

Baixa visão – Acuidade visual entre 0,3 (20/60) e 0,05 (20/400) no melhor olho com a melhor correção óptica.

Os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60°.

Ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores.

Dados Estatísticos

Segundo a OMS- Organização Mundial de Saúde, cerca de 1% da população mundial apresenta algum grau de deficiência visual. Mais de 90% encontram-se nos países em desenvolvimento. Nos países desenvolvidos, a população com deficiência visual é composta por cerca de 5% de crianças, enquanto os idosos são 75% desse contingente.

No Brasil, existem mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual, sendo 582 mil cegas e 6 milhões com baixa visão, segundo dados do Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

 

Deficiência Intelectual

A deficiência intelectual (DI), segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) se caracteriza por uma redução significativa da habilidade em entender informações novas ou complexas e de desenvolver novas habilidades (comprometimento da inteligência). Isso em uma capacidade reduzida de viver de forma independente (funcionamento social comprometido) e inicia-se antes da idade adulta, com efeito prolongado no desenvolvimento.

Segundo os últimos dados do IBGE 2010, cerca de 2,6 milhões de brasileiros apresentam deficiências intelectuais/ mentais.

 

Conheça aqui os nossos serviços:

Serviço de triagem auditiva, visual, motora, psíquica e de linguagem de recém nascidos, bebês e crianças até 03 anos

A triagem neonatal consiste em avaliações sistemáticas, dentro de cada área do desenvolvimento, objetivando analisar o nível de desenvolvimento de cada indivíduo e através dos resultados, direcionar os atendimentos de acordo com as necessidades específicas de cada um, levando assim em consideração a diversidade de acometimentos no desenvolvimento que um recém-nascido pode apresentar e objetivando uma condução menos invasiva. Atenção à saúde e ao desenvolvimento global em tempo adequado, podendo minimizar os atrasos, estabelecendo funções e ou reestabelecendo aquelas já adquiridas.

Estimulação Precoce – Centro Violeta Campofiorito

A Estimulação Precoce busca oferecer atendimento interdisciplinar de reabilitação/ habilitação, com a realização da atenção terapêutica em grupos separados de acordo com a faixa etária e a fase do desenvolvimento infantil e/ou individualmente quando avaliado pela equipe.

Estabelecer novas conexões e otimizar as existentes, através de exercícios, manuseios, manipulações e estímulos (tátil, proprioceptivos e vestibulares) interagindo com o ambiente.

O trabalho em grupo na terapia pode integrar as atividades motoras globais, motoras finas, perspectivas de fala e da linguagem com maior enfoque em qualquer dessas áreas, de acordo com a necessidade das crianças. Dessa forma, o programa consiste em integrar aspectos da fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia.

Serviço de Integração Sensorial

Promover experiências através de atividades/ brincadeiras que estimulem as interligações entre os sistemas sensoriais e favoreçam dessa forma, as habilidades motoras, emocionais e sociais.

A terapia de integração sensorial usa atividades/ brincadeiras neurosensoriais e neuromotoras para estimular a própria capacidade do cérebro em se organizar e pretende desenvolver, entre outras, a atenção, concentração, compreensão, equilíbrio, coordenação e o controle da impulsividade nas crianças.

Atendimento Integrado II

Esse serviço foi pensado a partir de uma demanda para a Instituição, com uma abordagem para o desenvolvimento de habilidades para a execução de atividades de vida autônoma.

Atualmente, a equipe é composta por fonoaudióloga, musicoterapeuta, psicóloga e assistente social. Os atendimentos acontecem, preferencialmente em grupo, duas vezes por semana. Vale destacar que a AFAC foi a primeira instituição no Estado do Rio de Janeiro a utilizar os serviços da Musicoterapia no faturamento do SUS. O serviço passou a ser oferecido na instituição com a finalidade de se criar um programa terapêutico inovador para deficientes visuais, que também possuíam alguma dificuldade cognitiva ou psicossocial mais relevante, e para os deficientes intelectuais que já estavam chegando para atendimentos na instituição.

Serviço de aprendizagem em criança e adolescente com dificuldades na aquisição do conhecimento

Este programa foi elaborado a partir da demanda de pacientes encaminhados à AFAC, após a nova habilitação recebida para atender deficientes intelectuais. A proposta é que este trabalho atenda o perfil de uma clientela com idade entre 06 e 18 anos e que apresentem dificuldades relativas à aquisição do conhecimento.

A avaliação adequada das dificuldades que envolvem a questão da aprendizagem permite à criança e à família melhores recursos para avançar e progredir. A participação da família e da escola é extremamente importante, pois os dados fornecidos por estes colaboram para a compreensão do caso.

Serviço de fonoaudiologia infantil

A partir de técnicas específicas da fonoaudiologia, o trabalho é voltado para crianças e adolescentes em fase escolar. Além da família, a Escola é uma instituição que merece suporte e orientação pois vem suplementar o trabalho  da reabilitação,  visando o melhor desenvolvimento do sujeito. O intuito é de facilitar a aprendizagem, a autonomia em seu meio social e escolar proporcionando uma maior integração dentro de suas limitações. Sendo assim, a Escola e a família são convocadas durante o processo de Reabilitação.

Serviço Social

O serviço social tem como objetivo geral exercer as atividades inerentes à profissão, em consonância com os dispositivos legais supracitados, promovendo a inclusão social da pessoa com deficiência visual e intelectual. Tal objetivo é traçado através da articulação com a rede de serviços no município de Niterói, adjacências e demais municípios do Estado do Rio de Janeiro. O trabalho na reabilitação visa o fomento de discussões e orientações acerca da importância da participação popular dos usuários nos espaços de discussão sobre deficiência e direitos, nas reuniões institucionais e demais assuntos pertinentes à realidade de cada grupo ou sujeito, de modo que os mesmos tenham acesso e conhecimento às informações relacionadas a serviços e direitos sobre os temas que são de seu interesse. Busca-se ainda, alcançar tais objetivos, através da elaboração de ações estratégicas, com rotina de trabalho pautada em instrumentos técnico-operativos de registro e avaliação, para conhecimento da realidade da população atendida, encaminhamento aos órgãos e serviços competentes de atendimento à população e demais instrumentos profissionais.

O serviço social realiza ainda as seguintes ações: avaliação social para atendimento na reabilitação – estudo socioeconômico de usuários e familiares, orientação social a qualquer usuário que se dirija ao setor, reuniões e discussões interdisciplinares, orientação e acompanhamento social, individual e em grupo, participação na reavaliação de pacientes, elaboração de relatórios, pareceres de natureza do serviço social, supervisão de estágio, participação em eventos, debates e conselhos de direitos, elaboração de projetos com vistas à ampliação das atividades do setor, realização de visitas domiciliares.

Consultas médicas em atenção especializada

Os serviços de oftalmologia, psiquiatria e neurologia integram a equipe técnica do Centro Especializado em Reabilitação da AFAC facilitando as discussões quanto a elucidação diagnóstica contribuindo com o planejamento do projeto terapêutico singular dos usuários. Destacamos que tais profissionais compõem as equipes dos programas apontados.

Realizam o acolhimento, triagem, avaliação, diagnóstico e o projeto terapêutico singular junto à equipe.

Todos os pacientes acompanhados estão inseridos nos serviços institucionais.

A observação e análise dos sinais clínicos, com destaque para os aspectos motores, sensoriais, cognitivos, fala e expressividade, serve de base para a elaboração do diagnóstico e da construção de um Projeto terapêutico singular.

Serviço de Orientação e Mobilidade

O objetivo da Terapia Ocupacional, com foco na orientação e mobilidade para deficientes visuais é proporcionar maior independência e autonomia em sua vida, através da reabilitação.

Durante a reabilitação é trabalhado também às atividades da vida diária de acordo com as necessidades de cada um, sempre com o objetivo de proporcionar maior autonomia em sua vida, integração no meio em que vive, dando condições para que este tenha uma vida normal e prazerosa, lembrando que todo indivíduo tem um papel na sociedade independente de suas limitações e é de grande importância que ele tenha consciência disso.

Serviço de fonoaudiologia voltado aos adultos e idosos

Atendimentos individuais ou em grupo para pacientes com deficiência visual e/ ou deficiência intelectual, com o objetivo de proporcionar aos sujeitos condições comunicativas e sensoriais para o desenvolvimento/ ampliação da sua linguagem como um todo.

Fisioterapia

Nesta clínica as idades e os distúrbios do desenvolvimento motor infantil nos convocam a um lugar de variadas articulações. Portanto, é necessário intervenções na direção da reeducação psicomotora onde as atividades terapêuticas são previstas pelo terapeuta e sugeridas a criança de acordo com a necessidade de instauração ou restauração da coordenação motora normal. Por outro lado há também um viés da psicomotricidade relacional onde as atividades são livres para que a própria criança a organize fazendo uso material disponível e das condições do tempo e espaço. Neste modo de intervenção – livre brincar – o desejo da criança é o referencial para o trabalho.

Alfabetização em Braille

No Brasil, o Braille tornou-se a linguagem oficial e padrão do deficiente visual em 1962, por intermédio da lei federal 4.169. Desde então, a AFAC vem divulgando e desenvolvendo esse sistema dentro da instituição, onde criou um projeto de alfabetização em Braille, favorecendo o processo de inclusão social do cego. O trabalho começou em junho de 1990 e, hoje, atende jovens e adultos.

As aulas acontecem as terças e quintas, das 9h às 12h. Só são permitidos cinco alunos por turma. Além das letras do alfabeto, é ensinado acentuação, pontuação e sinais matemáticos. Não há um tempo médio de duração, pois o aprendizado vai depender do desenvolvimento de cada um. O tema das aulas é escolhido pelos próprios alunos, que discutem sobre preconceito, identidade, discriminação, entre outros.

Mesmo com o advento da tecnologia e dos programas de computadores para deficientes visuais, tais como o DosVox (com áudio para soletrar letras), a AFAC não abre mão do Braille.  O curso de informática que a instituição oferece e o ensino dessa linguagem são ferramentas para facilitar o processo de inclusão.

Informática Adaptada

Acessar informação por meio de áudio, vídeos e mensagens sonoras tornou-se fundamental no processo de inclusão. Através de softwares específicos para computadores, por exemplo, é possível que o deficiente tenha conhecimento do que acontece em qualquer lugar do mundo de forma simples e didática.

Para incluir digitalmente deficientes visuais e intelectuais, a AFAC oferece o curso de informática adaptada por intermédio de programas como o DOS VOX e o NVDA. Com estudos e orientações adequadas, os alunos realizam os comandos de acessos que fazem o computador funcionar normalmente.

A AFAC entende que o ensino da informática ao cego requer um trabalho cuidadoso, pois métodos e técnicas precisam ser passados sempre observando sua apreensão. Com profissionais qualificados, a instituição vem conseguindo atingir níveis excelentes de aprendizagem na transmissão desse conhecimento.

As aulas do curso de informática acontecem as terças e quintas-feiras, das 8h às 17h. Maiores informações ligar para 2717-2822 / 2722-4898 / 3617-2851 / 99821-8622.

AFAC - Rua Padre Leandro, 18 - Fonseca - Niterói - RJ - CEP: 24.120-135 I Telefone: (21) 2717-2822 (21) 2722-4898 (21) 99821-8622 (21) 3617-2851